ACESSE O LEGNET 🔒

O que é Gestão de Risco?

30/07/2019 | Tempo de leitura: 3 minutos

De acordo com a ISO 31000 a Gestão de Riscos é um conjunto de métodos e atividades coordenados para direcionar e gerir a Organização no que se refere a riscos.

O Gerenciamento de Riscos trata de um sistema para identificar, avaliar, administrar e controlar potenciais eventos ou situações com propósito de prover razoável certeza quanto ao alcance dos objetivos da organização.

São diversas as motivações para o gerenciamento de riscos, dentre elas, a necessidade de redução de incertezas; avaliar, determinar e minimizar os riscos; definir a evolução da empresa; solver crises de governança; criar oportunidade de negócios; buscar melhoria contínua; aumentar a competitividade da Organização…

Para o bom gerenciamento dos riscos é necessário identificar os riscos que possam impedir, degradar, retardar o cumprimento dos objetivos da Organização.

A Análise de Riscos atribui a probabilidade e o impacto associado às consequências negativas, e/ou positivas, para a cada evento de risco identificado de modo a determinar os respectivos níveis de riscos.

A Avaliação de Riscos compreende avaliar o nível de risco a fim de determinar a ordem de prioridade e de que maneira e/ou com que grau de intensidade os riscos devem ser tratados.

O Tratamento de Riscos é formada por um processo cíclico iniciando na apreciação dos controles existentes, na avaliação se os níveis de riscos são aceitáveis ou toleráveis, e posteriormente na análise da relação custo-benefício e de melhoria dos controles e/ou implementação de um novo tratamento para os riscos, caso seja constatado que os riscos são inaceitáveis.

As opções de Tratamento de Riscos, que podem ser combinadas ou não, podem resultar em:

1 – Mitigar o risco:  consiste em adotar medidas que reduzem o impacto e/ou probabilidade do risco para níveis considerados aceitáveis;

2-  Aceitar (tolerar) o risco – consiste em não adotar nenhuma ação específica para modificar o risco;

3 – Transferir o risco– consiste em transferir a responsabilidade pelo risco e/ou suas consequências para terceiros;  

4 – Eliminar o risco – consiste em interromper a atividade que dá origem ao risco, após constatar que o risco é inaceitável.

A Responsabilidade da Alta Administração é fundamental para este processo, pois, o dirigente máximo da organização é o principal responsável pelo estabelecimento da estratégia da organização e da estrutura para o gerenciamento de riscos.  A alta administração deve avaliar os riscos da organização, desenvolvendo uma visão crítica de riscos. Cada risco mapeado e avaliado deve estar associado a um agente responsável formalmente identificado.

Outro ponto a destacar é a Auditoria Interna, que contribui eficazmente para somar valor e melhorar as operações da Organização.  Através da Auditora Interna se faz uma abordagem sistemática e disciplinada para avaliar e melhorar a eficácia dos processos de gerenciamento de riscos, controle e governança.

Sem dúvidas, o tratamento adequado dos riscos e dos impactos negativos, controla as situações adversas e agrega valor à Organização.  Riscos conhecidos e devidamente classificados de acordo com a prioridade, devem ser monitorados constantemente.

A divulgação dos riscos e sua gestão para os colaboradores estimula a comunicação de procedimentos e processos entre os envolvidos.


ISO 9001 e 14001 versões 2015 GAP ANALYSIS – Avaliação de Migração

14/09/2017 | Tempo de leitura: 4 minutos

Benefícios da Migração para as Versões 2015 das NBRs ISO 9001 e 14001

As duas principais normas Internacionais, a NBR ISO 9001:08 e a NBR ISO 14001:04, receberam uma nova versão 2015. As normas da família ISO são revisadas periodicamente para garantir que as normas permaneçam sempre atualizadas. As empresas certificadas não a opção de escolher por qual revisão da(s) Norma(s) Internacional(is) elas querem ser auditadas até Setembro de 2018 (data limite).

Acreditamos que esta escolha será baseada no nível de preparo da organização para receber a auditoria de acordo com a nova versão. Esse período de transição reconhece que há necessidades de nossos clientes em garantir um treinamento adequado; atualizar os seus sistemas de gestão e implementar mudanças com foco na abordagem dos requisitos adicionais.

Melhorias na Gestão de Riscos e Oportunidade

A nova ênfase da Gestão de Oportunidade e Risco nos Sistemas de Gestão vem reafirmar o seu uso como um Instrumento de Governança, bem como um Acelerador de Desempenho. Isto assegurará que a Organização seja capaz de identificar Riscos e Oportunidades mais efetivamente, de modo a melhorar a Eficiência Operacional, reduzindo duplicidades, economizando tempo e dinheiro.

Ganho de Qualidade na Reputação da Organização

Ao adotar as novas normas, a Organização sinaliza claramente aos Clientes existentes e em potencial uma abordagem de Liderança Inovadora e proativa em SGA e SGQ através dos Sistemas de Gestão.

Redução dos Riscos por Problemas Durante a Migração

Caso a Organização decida esperar até o final do período de transição, haverá menos tempo para a correção dos problemas detectados, aumentando assim o lapso temporal necessário para a execução das ações de adequação do SGI.

O Empreendimento pode até mesmo correr o risco de ter o seu Certificado expirado antes da efetivação da transição, prejudicando inclusive a participação em licitações públicas.

Redução de Custos

As Organizações que fazem a migração durante um longo período de tempo devem manter um Sistema de Gestão em Conformidade tanto com as antigas quanto com as novas versões das Normas, durante todo o período de transição. Isso acaba por impor uma carga maior de Conformidade à Organização, implicando em Risco de incidência de Não-Conformidades.

Abordagem mais Flexível

A adoção das novas Normas logo de início significa que você pode beneficiar-se rapidamente dos Requisitos menos prescritivos das Normas revisadas, isto é, documentação reduzida, com economia de tempo e recursos.

Compromisso da Alta Direção

Incentivar o entusiasmo no Ambiente Interno ao fazer as mudanças dentro da Organização logo no início do processo de migração da Norma, em lugar de tentar recuperar o tempo perdido para estar em Conformidade no fim do período de transição. Isso assegurará que a sua Organização tenha mais tempo para alocar os Recursos Corretos.

Melhor Integração

A nova estrutura comum a todas as Normas de Sistema de Gestão assegurará a integração dos Sistemas na Organização de forma mais uniforme, sem maiores investimentos de tempo e dinheiro.

Características:

*Análise de todo o Sistema de Gestão da Empresa ISO 9001:08 e 14001:04;

*Emissão de Relatório Detalhado através de Ações abordando as necessidades de adequação frente às novas versões 2015;

*Definição de planos de ação e prazo de atendimento para as adequações.


DNV-GL realizou Auditoria de Manutenção nas normas ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001

08/01/2016 | Tempo de leitura: ~1 minuto

Auditoria nas normas ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001

Como acontece anualmente, a Premier Ambiental passou pela auditoria externa de manutenção do seu Sistema de Gestão. A empresa foi auditada nas Normas ISO 9001:2008, ISO 14001: 2004 e a OHSAS 18001: 2007 pela DNV-GL, com o objetivo de verificação da eficácia de seu sistema de gestão.

A auditoria foi um sucesso, demonstrando a maturidade da empresa em gerenciar seus processos e melhorá-los continuamente. Não foi evidenciada nenhuma não conformidade, apenas oportunidades de melhorias.

Esse resultado é reflexo do empenho e dedicação de todos os colaboradores, que através de um trabalho de equipe se mostram comprometidos e buscando melhoria contínua. A Premier Ambiental já está se preparando inclusive para se adaptar a atualização das normas ISO 9001:2015 e a ISO 14001:2015.

Com essa manutenção, a Premier reforça ainda mais seu compromisso de melhor atender seus clientes, levando ao mercado produtos e serviços inovadores com Qualidade, respeito ao Meio Ambiente, Saúde e Segurança dos seus Colaboradores.


Sistema de Gestão Integrada LegNet
ISO 9001 ISO 14001 ISO 18001